30
Jan

Empresários querem apoio do Executivo

2020

Os empresários angolanos solicitaram ao Executivo um sistema financeiro bancário que esteja mais virado em financiar a classe empresarial, que permita a realização de negócios a nível nacional e regional.

O pedido foi feito num encontro com o ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos e o secretário do Presidente da República para o sector Produtivo, Isaac dos Anjos, que visou auscultar a comunidade empresarial e reafirmar o processo de diversificação da economia em curso no país.

Do conjunto de preocupações, os empresários pediram acções concretas e rápidas para devolver à economia a dinâmica que há muito vem reclamando.
 
A classe empresarial apresentou uma série de reclamações sobre os constrangimentos que a mesma enfrenta, factores que têm condicionado a melhoria do ambiente de negócios.

Outro aspecto levantado tem a ver com a necessidade de melhoria da capacidade técnica de avaliação de projectos de investimento, sobretudo, no domínio da agropecuária, pescas, indústria e turismo.

O empresário Carlos Cunha, considerou estar a haver, no país, sinais de transformações claras, disse ser fundamental que os empresários passem a ser vistos como interlocutores válidos na busca de soluções práticas na oferta de bens e serviços.

Na ocasião, o ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos, referiu que é preciso dar mais voz às empresas e aos empresários, porque são eles os actores da economia.

Disse ser objectivo de auscultar os empresários locais recolher propostas e opiniões para que se possa tornar uma realidade o plano de desenvolvimento nacional, encurtar e aproximar o espaço entre o governo e o sector privado.

Fez saber que o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) doravante passa a tutela do Ministério da Economia e Planeamento. Na sua óptica, o BDA continua ser uma instituição financeira profissional, continua funcionar de forma normal e seguindo as regras do sector financeiro.

Considerou que o sector que dirige vai alinhar melhor as metodologias do banco para apoiar as estratégias do Governo.