17
Mar

Cooperativa Paz Viva colhe mais de 5 mil toneladas de produtos

2020

Caxito - Cinco mil e 022 toneladas de produtos diversos foram colhidos na Cooperativa Paz Viva, aldeia de Santa Ambuleia, província do Bengo, na primeira época agrícola.

Trata-se  de produtos  como  a mandioca, o milho a ginguba, o limão, a laranja, a uva,  o abacaxis, o abacate, a manga, a cana de açúcar, a batata hame,  a abóbora, a melancia, o safu e o melão, entre outros.

Com uma área de 5 mil e 500 hectares, dos quais  3 mil e 400 em produção  e dois mil e 100  reservados, as culturas  nesta cooperativa  sobrevivem  da  água da natureza, por falta de água na região.

Para suportar o tempo seco, enquanto aguardam pelo apoio do governo da província, os  camponeses  adquiriram com o seu próprio fundo 20 cisternas  de mil  litros,  que são abastecidas com a água comprada em camiões,  com a qual é feita a rega no sistema gota a gota, para a planta não secar.

Para além das culturas que produz e apesar do trabalho ser feito de forma manual, os camponeses desta região querem também apostar no cultivo de hortícolas, devido a quantidade de terra que possuem

No âmbito do Programa de Apoio a Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações, Prodesi, a cooperativa vai beneficiar de um financiamento  (valor não adiantado), com o qual pretende desenvolver um projecto que visa o aumento da produção de algumas culturas enquadradas no programa.

Para além disso, a Paz Viva pretende também construir um armazém, um escritório, um aviário e uma pocilga, a aquisição de uma máquina para limpar a picada e uma carrinha para o transporte dos produtos. 

Para o êxito destas iniciativas, a cooperativa já repartiu a terra em parcelas de terra, por famílias, a quem competirá a prestação de contas  junto das entidades  responsáveis pelo programa, disse à Angop, o coordenador da cooperativa , Sebastião Francisco.

Trata-se de projectos  que estão em carteira há muitos anos  e  que finalmente poderão ser concretizados, disse.

As vias de acesso e a falta de água constituem  os  principais constrangimentos desta cooperativa que quer ver instaladas  na região industrias transformadoras,  para evitar as inúmeras perdas que se registam nas colheitas.

Criada em 2011, a Cooperativa Paz Viva conta com 706 membros, dos quais 400 mulheres e 306 homens e já criou 465 postos de trabalho.